Santana LopesDepois da demissão de Durão Barroso do cargo de primeiro-ministro a 6 de Julho de 2004, aceitando o convite para ser candidato a presidente da Comissão Europeia, Santana Lopes, que era então o vice-presidente do PSD, assumiu a sua presidência. Pondo fim à crise política aberta no país com a demissão do Primeiro-Ministro, o Presidente da República Jorge Sampaio convidou Santana Lopes a formar novo governo e a 12 de Julho foi indigitado, tendo a 17 de Julho tomado posse.

No entanto, após quatro meses de uma governação instável, Sampaio anunciou a 30 de Novembro que iria dissolver a assembleia e convocava eleições antecipadas, apesar da coligação entre o PSD e o PP ter a maioria na Assembleia da República, facto inédito na história da democracia em Portugal.

José SócratesApós isso, o governo de Santana Lopes demitiu-se, numa atitude sem efeitos práticos, uma vez que o governo manteve-se como governo de gestão até à tomada de posse do novo governo saído das eleições legislativas de 2005, nas quais Santana Lopes guiou o Partido Social Democrata ao seu pior resultado de sempre (29,61%) e o Partido Socialista, conseguiu alcançar pela primeira vez uma maioria absoluta no parlamento.

Bye Bye Santana – A Dissolução da Assembleia e do Governo