Manuel Gomes da CostaManuel de Oliveira Gomes da Costa nascem em Lisboa, a 14 de Janeiro de 1863, vindo a falecer a 17 de Dezembro de 1929. Foi um imponente oficial do exército, chegando a entrar na política, como o décimo presidente da República Portuguesa e o segundo da Ditadura Nacional.

Enquanto militar, destacou-se nas campanhas de pacificação das colónias, em África e na Índia, e ainda na Primeira Grande Guerra. Enquanto político, foi o líder que a direita conservadora encontrou para liderar a Revolução de 28 de Maio de 1926, com início em Braga, isto após a morte do general Alves Roçadas, que deveria ter sido o seu chefe. Não assumiu de início o poder, que foi confiado a Mendes Cabeçadas, o líder da revolução em Lisboa. Como os revolucionários julgassem a atitude deste viria a ser um pouco frouxa, Gomes da Costa viria, após sucessivas reuniões conspiratórias mantidas no quartel-general de Sacavém, a alcançar o Poder, após um golpe ocorrido em 17 de Junho de 1926. No entanto, o seu governo não durou muito mais que o de Mendes Cabeçadas. A 9 de Julho do mesmo ano, uma nova contra-revolução, chefiada pelo general Óscar Carmona, derrubou Gomes da Costa, incapaz de lidar com os dossiers governativos.

Carmona, agora Presidente do Conselho de Ministros, enviou-o para o exílio nos Açores, e fê-lo Marechal do Exército português. Em Setembro de 1927, regressou à Metrópole, tendo falecido em condições miseráveis, sozinho e pobre.

Gomes da Costa