Lucius SeverusLucius Septimius Severus nasceu a 11 de Abril de 146 e morreu a 4 de Fevereiro de 211. Foi Imperador de Roma de 193 a 211.

Com a morte de Cómodo, as legiões do Danúbio colocaram no poder o seu comandante, Septimio Severo. O novo imperador recompensou regiamente as suas tropas. Desprezou o Senado e as tradições romanas, preferindo governar com o apoio do exército. No décimo ano do seu reinado, empreendeu uma perseguição religiosa. O reescrito imperial interditava a propaganda cristã e as conversões ao cristianismo, assim como ao judaísmo. Eusébio de Cesareia dedica boa parte do seu sexto livro da História Eclesiástica mencionando esta perseguição.

Severus foi um imperador romano de origem africana, fundador da dinastia dos Severos, e o primeiro imperador romano nascido em Leptis Magna, antiga cidade situada na costa do Mediterrâneo, a leste de Tripoli, no norte da África. Chegou a Roma no início da década de 160, e iniciou a sua carreira militar. Foi eleito questor em Roma, grau necessário para a posterior participação no Senado, e serviu como questor provincial na Sardenha.

Nomeado legado, cargo de emissário ou oficial do estado-maior, do procônsul na África, Gaio Septimio Severo, voltou a Leptis e casou-se com Paccia Marciana, que morreu sem ter filhos, poucos anos mais tarde. Tornou-se pretor, comandante de legião na Síria e nomeado governador da Gália Lugdunense, antiga região da Europa que compreendia a França, parte do território belga e oeste da Alemanha. Viúvo, casou-se com Julia Domna, membro de importante família de sacerdotes de Emesa, com teve os filhos Caracalla e Geta.

Arco de severusTornou-se governador da Sicília, cônsul e governador da Panónia. Após os assassinatos de Cómodo e de Pertinax, impôs-se pelas armas contra os partidários de Dídio Juliano e foi proclamado imperador por suas tropas, jurando vingar a morte do seu predecessor, chegando até a acrescentar Pertinax ao seu próprio nome. Para combater Pescénio Niger, que havia sido proclamado imperador pelas legiões do Oriente, marchou para a Itália, encontrando pouca resistência, e, depois que a maioria do Senado o apoiou, Dídio Juliano foi morto e os pretorianos que tinham assassinado Pertinax fugiram. Niger foi finalmente derrotado e morto em Antioquia, cidade do sul da Turquia, hoje chamada Antakya. Puniu severamente as cidades e as províncias desleais e iniciou a invasão do Mesopotâmia, onde subjugou os árabes, Adiabenes e Cenitas.

Voltou a Roma e marchou para Lugdunum, actual Lyon, para enfrentar o antes aliado Albino que, depois de uma violenta batalha, viu as suas tropas dispersarem-se e suicidou-se. O vitorioso imperador reorganizou as províncias do noroeste e voltou para Roma, onde se vingou dos senadores que haviam apoiado Albino, seguindo uma das suas características políticas, recompensar os amigos prodigamente e castigar os inimigos com severidade. Mais afecto ao campo de batalha, nomeou Caracalla imperador e partiu par uma campanha vitoriosa contra os persas, em seguida visitou o Egipto, onde se empenhou numa extensa reforma administrativa. Mais tarde, visitou a Síria, voltando a Roma para celebrar o jubileu de dez anos de governo, com a construção de um magnífico arco do triunfo e participar da celebração dos Jogos Seculares.

Moedas de SeverusOrganizou uma expedição para a Britânia, levando consigo a esposa e os dois filhos e lá permaneceu até sua morte, em York, após realizar com sucesso várias campanhas no norte, com o desejo de expandir o controlo de Roma sobre toda a ilha. Preocupado com a instabilidade mental de Caracala, fez com que Geta fosse César, segundo posto de comando após o imperador. Como governante demonstrou ser um sábio administrador e reformador e obediente perante as leis, porém devido ao temperamento inconstante, a sua capacidade inflexível de trabalho e a sua política de expansão das fronteiras do Império transformaram-no numa personagem difícil de avaliar com justiça.

Lucius Septimius Severus