O Papa Lúcio II foi eleito a 12 de Março de 1144 e morreu no dia 15 de Fevereiro de 1145.

Nascido em Bolonha, tornou-se padre na sua cidade natal, e depois foi nomeado cardeal da Basílica de Santa Cruz de Jerusalém, tesoureiro da Igreja e representante papal na Alemanha para os papas Honório II e Inocêncio II.

O seu tempestuoso pontificado foi marcado pelo surgimento de uma república revolucionária em Roma, que procurou privar o papa do seu poder, e pelo reconhecimento da soberania papal sobre Portugal.

Em 1144 encontrou-se com Rogério II da Sicília, em Ceprano, para esclarecer os deveres de Rogério como vassalo da Santa Sé. Lúcio II não estava disposto a aceitar as demandas de Rogério e rejeitou-as, mas Rogério II forçou o Papa a aceitar as suas condições enviando Roberto de Selby, o seu general, ao encontro de Lúcio.

O Senado Romano, que tomou praticamente todo o poder do Papa durante o pontificado de Inocêncio II e foi dissolvido por Lúcio II, foi ressuscitado. Encorajado pela derrota do pontífice Lúcio clamou, sem sucesso, pela ajuda do imperador Conrado III contra o Senado e o patrício Giordano Pierleoni, irmão do antipapa Anacleto II, e finalmente marchou contra eles com um pequeno exército. Este confronto também foi perdida por Lúcio II. De acordo com Godofredo de Viterbo, ele foi seriamente ferido por uma pedrada durante a batalha e morreu alguns dias mais tarde em consequência dos ferimentos.

Papa Lúcio II