A Invasão do Iraque em 2003 iniciou-se a 19 de Março através de uma aliança entre os Estados Unidos da América, Reino Unido e muitas outras nações, unidade conhecida como a Coligação, iniciada, a partir do Kuwait a ofensiva terrestre, depois de uma série de ataque aéreos com mísseis e bombas de precisão a Bagdad e arredores ter aberto o caminho às tropas no terreno.

Os efectivos, assim como os meios materiais do exército iraquiano sofreram uma forte deterioração, desde a Guerra do Golfo, contando agora com 17 divisões do exército regular, não as 40 antigas divisões, além das seis divisões da Guarda Republicana.

Apesar de alguma resistência por parte dos iraquianos, as forças terrestres da coligação norte-americana e britânica avançaram bastante até terem um abrandamento no dia 25 de Março por falta de provisões. A 26 de Março foi aberta a frente norte de ataque com a chegada de forças aerotransportadas à região norte controlada pelos curdos.

Encontrando menor resistência do que a inicialmente prevista, as tropas norte-americanas, a 4 de Abril ocupam o aeroporto internacional de Bagdad, situado a poucos quilómetros da capital. No dia seguinte alguns tanques norte-americanos fizeram incursões no centro de Bagdade

Bagdad caiu a 9 de Abril e a 1 de Maio declarou o presidente norte-americano George W. Bush o fim das operações militares, dissolvendo o governo do partido Ba’ath e depondo o presidente Saddam Hussein. As forças da Coligação capturaram Saddam Hussein a 14 de Dezembro de 2004, dando início ao processo de transição de poderes à população iraquiana. A invasão procedeu segundo uma doutrina militar de intervenção rápida ao estilo Blitzkrieg, com o custo de apenas 173 mortos da Coligação.

O Início do Conflito