A Biblioteca do Congresso é a maior biblioteca dos Estados Unidos e a maior do mundo. Localizado na capital dos Estados Unidos, Washington, a Biblioteca do Congresso possui mais de 130 milhões de itens diferentes, disponíveis em cerca de 480 idiomas.

Esta Biblioteca foi inaugurada no dia 24 de Abril de 1800, quando o Presidente norte-americano John Adams assinou um Acto do Congresso, transferindo a Sede do governo nacional, da Filadélfia para a nova capital federal, Washington.

A legislação destinou verbas de cinco mil dólares para a aquisição daqueles livros que eram necessários ao uso do congresso e para deixar um apartamento adequado para albergá-los. A biblioteca original estava situada no novo Capitólio até Agosto de 1814, quando as tropas invasoras britânicas pegaram fogo ao prédio do Capitólio, destruindo o conteúdo da pequena biblioteca, que continha apenas três mil volumes.

Dentro de um mês, o ex-presidente Thomas Jefferson ofereceu a sua biblioteca pessoal como reposição. Em Janeiro de 1815 o Congresso aceitou a oferta de Jefferson destinando 23 950 dólares em troca dos seus 6.487 livros. O conceito Jeffersoniano de universalidade, a crença de que todos os assuntos são importantes para a biblioteca legislativa dos Estados Unidos, é a filosofia e a lógica por detrás das políticas de colecção da biblioteca do Congresso nos dias actuais.

Em Dezembro de 1851, houve um incêndio na biblioteca do Congresso. O fogo destruiu 35 mil livros, um retrato original de Cristóvão Colombo, retratos dos cinco primeiros presidentes dos Estados Unidos pintados por Gilbert Stuart e estátuas de George Washington, Thomas Jefferson e do Marquês de Lafayette.

A Biblioteca do Congresso