A Entente Cordiale foi o nome dado às boas relações existentes entre a França e a Inglaterra, no início do século XX, de 1914 a 1918.

Esta expressão divulgou-se após a assinatura de um tratado entre a França e a Inglaterra, a 8 de Abril de 1904, sob a proposta de Eduardo VII. Por ele, as duas potências acabavam de vez com as suas questões e desavenças coloniais, algumas delas com muitos anos de existência, tendo em vista a criação de uma política comum. Assim, como gesto de boa vontade, cada uma deixa livre à outra o Egipto e o Reino de Marrocos.

Assim constituída, esta aliança vai-se afirmar de forma bem clara em determinados momentos de crise internacional. Por exemplo, na conferência de Algeciras em 1906 e no caso de Agadir em 1911, a Inglaterra e a França surgem em bloco, impondo a sua força, inclusivamente militar. Aliás, uma das dimensões dessa aliança era, exactamente, a intervenção e colaboração militar entre as duas potências em caso de guerra ou agressão de terceiros.

O deflagrar da Primeira Guerra Mundial em 1914 trouxe esta realidade à colação. A Entente Cordiale representou o bloco militar que se opôs ao avanço dos Impérios Centrais, cooperando militarmente ao longo da guerra e recebendo a adesão de países como a Itália, a Rússia e os EUA, bem como Portugal.

A Entente Cordiale