O LSD, que significa Lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, que é uma das mais potentes substâncias alucinogénas conhecidas. Uma dose de apenas cem microgramas causa um brutal aumento nos sentidos, afectando também os sentimentos e a memória por um período que pode variar de seis a quatorze horas.

O LSD foi sintetizado pela primeira vez numa bonita tarde de 7 de abril de 1938, pelo químico suíço Dr. Albert Hofmann nos Laboratórios Sandoz em Basel,  na Suíça, como parte de um grande programa de pesquisa em busca de derivados de alcalóides do Ergot, úteis medicamente. A descoberta dos efeitos do LSD aconteceu quando Hoffman, após um manuseio contínuo da substâncias viu-se obrigado a interromper o seu trabalho devido aos sintomas alucinatórios que estava a sentir.

As suas propriedades permaneceram desconhecidas até 5 anos depois, quando Hofmann, dizendo sentir um pressentimento peculiar, retornou a trabalhar na substância química. Atribuiu a descoberta dos efeitos psicoativos do composto a uma absorção acidental de uma pequena porção pela sua pele a 16 de Abril, que o levou a testar em si próprio uma dose maior. Mais tarde e preocupado, o Dr. Hofmann chamou um médico, que não encontrou nenhum sintoma físico anormal, excepto que as suas pupilas estavam extremamente dilatadas.

Até 1966, o LSD e a psilocibina eram fornecidos pelos Laboratórios Sandoz gratuitamente, para cientistas interessados sob a marca chamada Delysid. O uso destes compostos por psiquiatras para obterem um melhor entendimento subjectivo de como era a experiência de um esquizofrénico foi uma prática aceite. Muitos usos clínicos foram conduzidos com o LSD para psicoterapia psicadélica, geralmente com resultados muito positivos.

O LSD foi inicialmente utilizado como recurso psicoterapêutico e para tratamento de alcoolismo e disfunções sexuais.

Com o movimento psicadélico na Inglaterra na década de 1960, o LSD passou a tomar conta das noites londrinas e do cenário musical inglês. O consumo do LSD difundiu-se nos meios universitários norte-americanos, hippies, grupos de música pop, ambientes literários, entre tantos outros.

Recentemente verificou-se um ligeiro aumento do consumo de LSD, provavelmente como resultado da influência do revivalismo dos anos 60 e 70 e das raves.

LSD – Lysergsäurediethylamid