Os Tratados de Utrecht são os acordos que, assinados na cidade de Utrecht, nos Países Baixos, puseram fim à guerra da Sucessão Espanhola, de 1713-1715, na qual entraram em conflito os interesses de várias potências europeias. O trono da Espanha era pretendido por Filipe de Anjou, neto do rei francês Luís XIV, e por Carlos, da casa da Áustria. As negociações tiveram inicio a 29 de Janeiro de 1712, mas só a 11 de Abril de 1713 é que foram assinados os principais acordos, dos quais o último é de 1714.

Os opositores da disputa aliaram-se à França, em apoio a Filipe, e a Grande Aliança, constituída pela Grã-Bretanha, República Holandesa, Prússia, Portugal e a Casa de Savóia, que se formara contra Luís XIV a favor do príncipe Carlos.

A Grande Aliança perdeu força quando Carlos foi eleito imperador do Sacro Império Romano-Germânico, com o nome de Carlos VI da Germânia, pois para os britânicos não convinha que o príncipe austríaco centralizasse tanto poder. Após negociações entre ingleses e franceses, foi realizado um congresso em Utrecht, sem a participação da Áustria, e foram assinados os tratados. O imperador austríaco Carlos VI julgou que não poderia prosseguir com a sua luta sem os aliados e aceitou os termos em Rastadt e Baden, no ano de 1714.

A questão da sucessão em Espanha foi solucionada em favor de Filipe V, que conservou a coroa da Espanha e as respectivas colónias, mas renunciou ao direito de sucessão ao trono francês. A integridade do território francês foi preservada e a Inglaterra recebeu importantes bases marítimas, as de Gibraltar, Minorca, Terra Nova e da Acádia, e obteve o direito de abastecer as colónias da América Espanhola com escravos negros. A Inglaterra ganhou da França, além da Terra Nova, a baía de Hudson e St. Kitts e o reconhecimento da sucessão de Hanôver. O sul dos Países Baixos, Milão, Nápoles e Sardenha passaram para a Áustria. A França restituiu todas as conquistas recentes, mas manteve tudo o que foi conseguído na Paz de Nijmegen, em 1679, além da cidade de Estrasburgo. O duque de Savóia ganhou a Sicília e aumentou as fronteiras do norte da Itália. Os holandeses asseguraram, junto do governo austríaco, o direito de guarnecerem fortalezas no sul dos Países Baixos. O domínio francês encontrava-se numa situação difícil, mas no entanto o seu lugar como uma grande potência mundial ainda estava assegurado. A Inglaterra obteve conquistas navais, comerciais e coloniais significativas, assumindo posteriormente um papel dominante no que diz respeito às questões de ordem mundial.

As negociações anteriores à assinatura deste tratado foram iniciadas em 1712, tendo representado nelas, para Portugal, o conde de Tarouca, João Gomes da Silva, e D. Luís da Cunha.

Em 1713 foi reconhecido a Portugal a soberania sobre as terras brasileiras compreendidas entre os Amazonas e Oiapoque. Em 1715 acordou-se na restituição aos portugueses da Colónia do Sacramento.

Os Tratados de Utrecht