As terras ocupadas hoje pelo Vaticano foram doadas à Igreja Católica em 756, por Pepino, o Breve, rei dos francos. Durante o processo de unificação da península, a Itália absorveu os chamados Estados Pontifícios. Em 1870, as tropas do rei Vítor Emanuel II entraram em Roma e incorporaram o Vaticano ao novo Estado. Na época, o papado recusou-se a reconhecer a nova situação e considerou-se prisioneiro do poder laico, dando inicio assim à Questão Romana.

A independência do Vaticano só foi reconhecida a 11 de Fevereiro de 1929, e rectificado a7 de Junho desse mesmo ano, por meio do Tratado de São João Latrão ou simplesmente Tratado de Latrão, assinado pelo ditador fascista Benito Mussolini e a Santa Sé, representada pelo cardeal Pietro Gasparri, secretário de Estado do papa Pio XI. O Tratado de Latrão formalizou a existência do Estado do Vaticanocomo Estado soberano, neutro e inviolável, sob a autoridade do Papa. Por outro lado, a Igreja Católica renunciava aos territórios que havia possuído na Idade Média e reconhecia Roma como capital da Itália.

O acordo também garantiu ao Vaticano o recebimento de uma indenização financeira pelas perdas territoriais durante o movimento de unificação da Itália. O documento estabeleceu normas para as relações entre a Santa Sé e a Itália, reconheceu o catolicismo como religião oficial desse país, instituiu o ensino confessional obrigatório nas escolas italianas, conferiu efeitos civis ao casamento religioso, aboliu o divórcio, proibiu a admissão em cargos públicos dos sacerdotes que abandonassem a batina e concedeu numerosas vantagens ao clero.

O tratado foi incorporado à Constituição italiana em 1947, com a condição de que o Papa deveria jurar neutralidade eterna em termos políticos. O Papa poderia actuar como mediador em assuntos internacionais, mas só quando fosse solicitado.

Em 1978, os termos desse acordo concordatário foram reformulados e o catolicismo deixou de ser a religião oficial da Itália, tornando-se um Estado laico. Nesse mesmo ano, as relações do Vaticano com a Itália deterioram-se com a aprovação do divórcio naquele país.

Em Fevereiro de 1984, uma concordata firmada entre a Santa Sé e o governo italiano modificou alguns termos do Tratado de Latrão. Aboliu a obrigatoriedade do ensino religioso, que passou a ser oferecido somente a pedido dos pais dos alunos. O Vaticano permaneceu como estado soberano, governado pelo Papa e com sede em Roma, que, contudo, perdeu o título de cidade sagrada.

O Tratado de Latrão