Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de Novembro de 1919 e faleceu em Lisboa  no dia 2 de Julho de 2004. Para várias gerações, Sophia foi uma das mais importantes poetizas portuguesas do século XX. Distinguida com o Prémio Camões em 1999, tornou-se a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa. Era também membro da Academia das Ciências de Lisboa.

Frequentou o curso de Filologia Clássica na Universidade de Lisboa, mas não chegou a terminar. Casou-se, em 1946, com o jornalista, politico e advogado Francisco Sousa Tavares e foi mãe de cinco filhos: uma missionária laica, uma professora universitária de Letras, um advogado e jornalista de renome, Miguel Sousa Tavares, um pintor e ceramista e mais uma filha que herdou o nome da mãe. Os filhos motivaram-na a escrever contos infantis.

Criada na velha aristocracia portuguesa, educada nos valores tradicionais da moral cristã, dirigente de movimentos universitários católicos, veio a tornar-se uma das figuras mais representativas de uma atitude política liberal, denunciando os falsos critérios do regime Salazarista e os seus seguidores mais radicais. Em 1975, foi eleita para a Assembleia Constituinte pelo círculo do Porto numa lista do Partido Socialista, enquanto o seu marido navegava rumo ao Partido Social Democrata.

Distinguiu-se também como contista e autora de livros infantis, como A Menina do Mar, O Cavaleiro da Dinamarca, A Floresta, O Rapaz de Bronze, A Fada Oriana, entre tantos outros. Foi também tradutora de Dante Alighieri e de Shakespeare.

Em 1964 recebeu o Grande Prémio de Poesia pela Sociedade Portuguesa de Escritores. Mais tarde foi distinguida com o Prémio Camões em 1999 e com o Prémio Rainha Sofia em 2003. Sophia de Mello Breyner morreu aos 84 anos, no dia 2 de Julho de 2004, no Hospital da Cruz Vermelha.

Sophia de Mello Breyner Andresen