Bonifácio IX, tendo nascido Piero Tomacelli em 1356 e falecido no dia 1 de Outubro de 1404, foi um Papa eleito a 2 de Novembro de 1389, que reinou até à sua morte. Com sede em Roma, o seu pontificado foi marcado pela oposição dos Antipapas de Avinhão e pelo Grande Cisma do Ocidente. Durante o seu pontificado foram celebrados dois jubileus em Roma, tendo o primeiro ocorrido em 1396, ordenado pelo seu antecessor Urbano VI, e o segundo celebrado no ano de 1400, que atraiu milhares de peregrinos à cidade.

Bonifácio era originário de uma família baronal empobrecida. Não era particularmente brilhante a nível teológico ou administrativo, sendo as suas capacidades sobretudo diplomáticas, como convinha à Igreja em tempos de crise. O seu pontificado foi iniciado com trocas mútuas de excomunhão e acusações de heresia com o Antipapa Clemente VII.

A disputa entre Avinhão e Roma passou para a política secular quando Clemente VII coroou Luis II, Duque de Anjou, como Rei de Nápoles enquanto que Bonifácio IX deu a sua benção a outro candidato, Ladislau de Nápoles. Com dois reis e dois papas, a guerra por Nápoles tornou-se inevitável.

Bonifácio IX conseguiu controlar a população de Roma e extinguir a comuna independente que causava estragos políticos e físicos há anos. Para precaver novas insurreições, o Papa ordenou a fortificação do Castelo de Sant’Angelo e respectivas pontes. A situação em Roma era de tal forma instável que teve que viver fora da cidade durante grande parte do pontificado. No entanto, conseguiu pacificar e recuperar o controlo dos Estados Papais.

Clemente VII morreu em 1394, sendo substituído pelo Antipapa Benedito XIII. O cisma estava longe de ser resolvido e Bonifácio IX foi aconselhado e até ameaçado para abdicar em favor do seu opositor, por alguns dos antigos aliados dos Papas de Roma. Bonifácio IX não só recusou como sabotou todas as tentativas para resolver o conflito de forma diplomática.

Já no fim do século XIV, surgiu na Provença um movimento de penitentes conhecido por Bianchi ou Albati e pelas suas prácticas de auto-flagelação. O grupo atravessou Itália em procissão, pregando o fim próximo e protecção da Virgem Maria. Bonifácio condenou-os por heresia e dissolveu o grupo depois de queimar o líder na fogueira.

Bonifácio IX foi alvo das críticas do inglês John Wyclif pelo seu nepotismo e corrupção. O seu poder foi também atacado pelo rei Eduardo III de Inglaterra, que conseguiu aprovar o seu direito de veto sobre as nomeações papais em Inglaterra. O Papa pregou ainda a realização de uma cruzada para auxiliar o Imperador bizantino Manuel II Paleólogo, que não encontrou muito entusiasmo e fundou as Universidades de Ferrara e Fermo.

Bonifácio IX morreu após uma doença fulminante sem que o cisma do ocidente fosse resolvido.

Papa Bonifácio IX