A Revolta de Nika teve início no dia 13 de Janeiro de 532, em Constantinopla, tendo durado uma semana. Em Bizâncio, existiam organizações desportivas rivais que defendiam as suas cores no hipódromo, onde a rivalidade desportiva reflectia divergências sociais, políticas e religiosas. As equipas desportivas (Verdes, Azuis, Brancos e Vermelhos) tornaram-se partidos políticos activos. Os Azuis reuniam representantes dos grandes proprietários rurais e da ortodoxia religiosa, enquanto que os Verdes faziam-se representar por altos funcionários nativos das províncias orientais, comerciantes e artesãos.

Em vez de apoiar um dos partidos, como era feito até então, Justiniano recusou-se a partilhar o seu poder, tentando acabar com os atritos existentes entre os partidos, originando uma rebelião que depressa se torno num motim de larga escala, exigindo uma diminuição dos altos impostos cobrados.

Os rebeldes massacraram a guarda real e dominaram quase toda a cidade, proclamando um novo imperador. Justiniano reagiu e encarregou o General Belisário de cercar o hipódromo e aniquilar os revoltosos. A revolta foi ferozmente reprimida pelo General, que, ao lado de seu exército, degolou mais de 30.000 pessoas.

Revolta de Nika