A Batalha do Passo do Rosário ou Batalha de Ituzaingó foi a maior batalha campal ocorrida em solo brasileiro, tendo ocorrido devido à revolta das Províncias Unidas do Rio da Prata contra o Império do Brasil, devido ao domínio abusivo do Império na Província de Cisplatina. De início o Imperador D. Pedro I deu pouca atenção à revolta, mas com o escalar das derrotas brasileiras, rapidamente tornou-se a principal frente de batalha.

A batalha foi resultado do avanço do exército sob comando de Carlos Maria de Alvear, do exército republicano, no final de Janeiro de 1827 sobre as pequenas vilas e cidades da fronteira situadas do lado brasileiro. O Exército Imperial começa o combate na manhã do dia 20, avançando a infantaria com apoio de cavalaria sobre o I Corpo de Tropas Republicanas sob comando de Lavalleja.

Porém, o Império perde a batalha por falta de soldados. Entre as munições abandonadas pelo Exército Imperial encontrava-se um cofre com uma partitura entregue pelo Imperador a Marques de Barbacena para ser interpretada após a aliada. Então, em comemoração da batalha, o exército aliado apoderou-se dela e baptizou-a como marcha de Ituzaingo, usada ainda actualmente em actos oficiais na Argentina.

Batalha do Passo do Rosário