Baptista de Andrade

Baptista de Andrade foi um Oficial de Marinha muito distinto, tendo nascido a 27 de Março de 1811 e falecido em 26 de Fevereiro de 1902. No início da sua carreira militar, Andrade tornou-se Praça em 1833, tendo sido promovido a Guarda-Marinha efectivo em 1840.

Esteve em Moçambique e na Índia, donde regressou em 1838 para finalizar o curso da Escola Politécnica. Foi promovido a Segundo-Tenente em Setembro de 1844 e a Primeiro-Tenente por distinção em Setembro de 1845. Desempenhou entretanto as funções de imediato e comandante do cúter “Andorinha” e do brigue “Serra do Pilar” e de comandante do brigue “Corimba” e da polaca “Esperança”. Mais tarde, Baptista de Andrade foi nomeado Governador do distrito de Ambriz em Maio de 1855.

Empreendeu então, uma série de brilhantes campanhas para subjugar a revolta de vários sobas indígenas. Em recompensa pelos brilhantes serviços prestados, foi-lhe atribuída, em Outubro de 1857, o grau de Oficial da Ordem da Torre e Espada e promovido por distinção no campo de batalha, ao posto de Capitão-Tenente em Abril de 1858. Foi reconduzido no Governo de Ambriz e em 1859 nomeado Superintendente das minas de Bembe. Regressou entretanto à Metrópole já como Capitão-de-Fragata, posto a que ascendeu em 21 de Setembro de 1860. Desempenhou as funções de comandante da corveta “Estefânia” e em Agosto de 1862 foi nomeado Governador-Geral de Angola.

Percorreu o norte da província, tendo batalhado para a consolidação da soberania portuguesa. Em 1865 pediu a demissão do cargo, tendo regressado à metrópole já como Capitão-de-Mar-e-Guerra. Durante a sua presença em Portugal, Baptista de Andrade desempenhou as funções de Comandante da fragata “D. Fernando” e da corveta “Estefânia”. Esteve, durante o comando desta corveta, na Índia aquando da revolta desta colónia. Em 1872 foi promovido, por distinção, ao posto de Contra-Almirante.

Foi novamente nomeado em 1873 Governador de Angola, onde desempenhou uma acção de grande relevo na pacificação da colónia. Em 1880 foi feito par vitalício do reino, em 1889 foi promovido ao posto de Vice-Almirante, em 1890 Comandante-Geral da Armada, em 1892 Vice-Presidente do Conselho do Almirantado e em 1895 promovido por distinção especial ao posto de Almirante.

Baptista de Andrade distinguiu-se ainda pelo seu notável sentido de justiça e por uma permanente e contagiante simpatia que o tornavam querido não só na Armada como entre todos os que o conheciam. Possuía ainda entre outras condecorações, a ordem da Torre e Espada do Valor, Lealdade e Mérito, a Ordem Militar de Aviz e a Cruz de Guerra de 1ª Classe.

Baptista de Andrade